Mostrando itens por marcador: Gás Natural

Operação converte 800 novas residências para uso de gás natural stars

Condomínio Brisas Residencial é o maior empreendimento convertido para gás natural na Bahia

Em alinhamento com as suas diretrizes estratégicas e com o direcionamento de expandir o fornecimento de gás natural no segmento residencial, a Companhia de Gás da Bahia - Bahiagás iniciou, no último dia 27 de fevereiro, o maior processo de conversão de um condomínio habitado feito pela Companhia. O fornecimento de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) das seis torres do Condomínio Brisas Residencial Clube está sendo convertido para o uso do Gás Natural (GN). Serão, ao final do serviço, que tem data de conclusão prevista para o dia 27 de março, 800 novas unidades consumindo o energético.

O Gás Natural será utilizado pelos novos clientes para cocção (cozinha) e nos aquecedores de água dos chuveiros. O processo de conversão cumpre um protocolo rigoroso, com etapas que antecedem em meses o momento do início do fornecimento. Segundo o coordenador da Gerência Comercial de Varejo (Gevar), Fábio Fráguas, “a Bahiagás vem estruturando o serviço há alguns meses, com o envolvimento de uma equipe do quadro da Gevar, destacada apenas para cuidar do projeto”, explica.

“a Bahiagás vem estruturando o serviço há alguns meses, com o envolvimento de uma equipe do quadro da GEVAR, destacada apenas para cuidar do projeto”.

O coordenador ressalta, que a chegada destes novos clientes, responde ao trabalho de prospecção realizado pela Gevar, com potenciais clientes usuários de outros energéticos. Fábio classifica a empreitada como um marco nesse processo de conversões, desde o início das atividades da Companhia. “É perfeitamente possível afirmar que, fora do eixo Rio de Janeiro/São Paulo, esta seja a maior conversão de um condomínio com unidades já habitadas”. Segundo ele, a experiência obtida com o planejamento e execução do projeto ficam como mais um importante legado para a Bahiagás. “Uma experiência bastante enriquecedora”, destacou.

Números - Depois das etapas comerciais e de contratação, o projeto entra na fase operacional, com construção e teste da nova rede, instalação e ajustes de medidores, transporte de materiais, treinamentos comportamentais e de segurança, e, por fim, a conversão dos aparelhos e adequação dos ambientes. “Estamos nessa etapa final do processo, que envolve quase 50 trabalhadores. Sendo 43 de empresas contratadas e os demais do quadro da GEVAR, além da participação de equipes das gerências de Segurança, Meio Ambiente e Saúde; e de Operação e Manutenção”, assinala Fábio.

“O desempenho destes setores confirma o empenho de todos os colaboradores e de todas as áreas no cumprimento das diretrizes estratégicas traçadas no nosso planejamento”

O mercado de varejo (residencial e comercial) tem sido uma das prioridades da Bahiagás. A Companhia possui, atualmente, mais de 385 km de rede de dutos implantados em áreas urbanas e já superou a marca de 52 mil clientes residenciais consumindo o gás natural.

Para o diretor-presidente da Bahiagás, Luiz Gavazza, o crescimento da rede e do número de clientes nestes segmentos representam muito mais do que o crescimento da Companhia. “O desempenho destes setores confirma o empenho de todos os colaboradores e de todas as áreas no cumprimento das diretrizes estratégicas traçadas no nosso planejamento”, destaca Gavazza.

Mais de 44 mil residências já são abastecidas com gás natural stars

A expansão do consumo de gás natural no segmento residencial registrada no estado, resultante da estratégia de investimentos no desenvolvimento do setor, implementada pela Companhia de Gás da Bahia – Bahiagás, foi o destaque do Relatório da Administração 2016 da Companhia, publicado na última quinta-feira (13/04), em jornais impressos de grande circulação do estado e no Diário Oficial da Bahia. O documento também será veiculado nos principais jornais do interior, nas regiões onde a Bahiagás tem atuação.

O direcionamento da Companhia garantiu uma significativa ampliação da base de usuários do gás natural e possibilitou a superação da marca de 44 mil clientes residenciais. Com estes números, a Bahia se tornou o maior consumidor do energético no segmento, fora do eixo Rio de Janeiro/São Paulo, estados com tradição centenária no setor. A cidade de Feira de Santana é o maior símbolo deste crescimento no âmbito residencial. A Bahiagás iniciou, em 2016, o atendimento a este setor no município e chegou ao final do ano com mais de 1.000 usuários.

Projetos - O processo de interiorização do gás natural também é destaque no Relatório. Ele demonstra o avanço do Projeto Gás Sudoeste, que, finalizado, será o maior duto de distribuição do Nordeste e o segundo maior do País, com cerca de 300 km de extensão. Com valor total estimado de R$ 505 milhões, a construção irá atender aos setores de mineração e outros usuários dos segmentos industrial, comercial e automotivo.
Outros projetos importantes também constam no documento. As ações do Programa de Incentivo ao Uso do Gás Natural Veicular, como a campanha de estímulo à conversão de veículos particulares para o uso do GNV; e a assinatura do Convênio com a Secretaria da Administração do Estado da Bahia (Saeb), para conversão de veículos da frota própria do Estado; além da habilitação para a importação do GNL (Gás Natural Liquefeito), através do Terminal de Regaseificação da Bahia (TRBA), localizado na Baía de Todos os Santos, são alguns exemplos.

Crescimento - O Relatório apresenta um panorama com os principais indicadores da Companhia. Demonstra o aumento do número de clientes, com a ligação de 6.724 novos usuários, e a ampliação da malha de dutos em mais de 44 km. Tudo isso possibilitado por investimentos na ordem de R$ 56 milhões. Somente em Salvador foram investidos R$ 13,5 milhões, com 21 km de rede construída.


Junto com o crescimento da Bahiagás vem também o aumento do compromisso da Companhia com o desenvolvimento do estado. O aporte na área de responsabilidade social alcançou a soma de R$ 3,6 milhões. Com destaque para o projeto ‘Mulher com a Palavra’. Iniciativa da Secretaria de Políticas para as Mulheres do Estado da Bahia (SPM-BA), que levou, em quatro edições, aproximadamente 6 mil pessoas ao Teatro Castro Alves (TCA).

O documento mostra também as perspectivas para o ano de 2017. Com a previsão de ligação de 10 mil novos clientes, numa rede de distribuição de 64 km e investimentos de R$ 74,96 milhões. Destaque para a implantação da 1ª fase da Rede Urbana de Alagoinhas, com extensão total de 10 km, e as obras do Duto de Distribuição de Lauro de Freitas, para atendimento aos clientes residenciais e comerciais na região.

O arquivo do Relatório da Administração 2016 também estará disponível no site da Bahiagás (www.bahiagas.com.br).

Gás natural chega ao Jardim das Margaridas

A Companhia de Gás da Bahia – Bahiagás vai financiar a conversão de mais 48 carros de órgãos públicos estaduais até setembro deste ano. A ação faz parte de um convênio entre a concessionária e a Secretaria da Administração do Estado da Bahia (Saeb). A parceria prevê um investimento de R$ 800 mil para converter veículos da frota própria do Estado para o uso do Gás Natural Veicular (GNV) como combustível principal.

O convênio beneficia 15 órgãos estaduais. Entre eles estão as secretarias da Administração, Saúde, Segurança Pública, Educação, Trabalho, Desenvolvimento Econômico, Administração Penitenciária, Relações Institucionais, Justiça e Direitos Humanos, Desenvolvimento Urbano, Agricultura e Meio Ambiente. Outros órgãos, como a Procuradoria Geral do Estado (PGE), o Detran e a Agência Reguladora de Saneamento Básico da Bahia (Agersa) também terão carros convertidos.

A conversão começou desde novembro de 2016 em veículos leves, movidos à gasolina/álcool, a exemplo de carros como Ecosport, Fiesta, Palio e Sandero. Ao todo, já foram convertidos 92 automóveis. Desde então, os órgãos passaram a usufruir das vantagens do gás natural. De acordo com um estudo da Saeb, um veículo do Estado movido à gasolina consome o equivalente a R$ 873,40 por mês, enquanto um carro movido à GNV gastará, no mesmo período, R$ 387,93.

Ainda segundo o estudo, em um ano, a mudança de combustível reduziria o custo de R$ 10.480,80 mil para R$ 4.655,16 mil. Ou seja, durante oito anos, prazo máximo para utilização dos carros do Estado, o uso de GNV reduziria o custo de R$ 83.846,40 mil para R$ 37.241,28 mil, o que representa uma redução de 55,58 %.

Outra vantagem do projeto, não só para os usuários dos veículos, mas para toda a população, é o caráter ambientalmente correto gás natural. Ele promove a redução da emissão de monóxido e dióxido de carbono no meio ambiente, diminuindo os índices de poluição do ar.
Para o diretor-presidente da Bahiagás, Luiz Gavazza, a assinatura do convênio é uma das principais etapas do Programa +GNV, que compreende uma série de iniciativas visando à expansão do mercado do combustível. “O GNV traz eficiência energética e ambiental. Ele representa uma evolução no segmento automotivo. Por isso é tão importante para a Bahiagás e também para o desenvolvimento do Estado”, reforça.

“O convênio traz uma vantagem econômica para o Estado e permite que a gente avalie a melhor administração sobre o uso da nova frota”, acrescenta o secretário da Administração, Edelvino Góes.

Gás Natural: O energético mais competitivo

Este livro, escrito pelo engenheiro da Bahiagás, João Pedro Braga Teixeira, traz uma ampla revisão da literatura do gás natural e dos seus processos de distribuição. Além disso, apresenta um método de avaliação da competitividade entre energéticos, comparando o gás natural com os principais concorrentes.

Baixe aqui o seu exemplar.

Gás Natural e Benefícios Ambientais

Esta publicação traz uma avaliação objetiva sobre a utilização do gás natural na indústria baiana e como este uso gera um consumo mais limpo.

Clique aqui para baixar o seu exemplar.

Bahiagás divulga resultado da Chamada Pública para aquisição de gás natural stars

Numa iniciativa pioneira entre as Companhias Distribuidoras Locais de gás natural (CDLs), a Companhia de Gás da Bahia – Bahiagás, manteve aberta, durante quatro meses deste ano (junho a outubro), uma Chamada Pública para aquisição de gás natural, no volume de até 1 milhão de m³/dia, com independência da origem (Onshore, Offshore, GNL, etc.) e da quantidade de supridores. O prazo para apresentação de propostas se encerrou no último dia 31 de outubro.

Com o objetivo de apresentar o resultado do edital, a Bahiagás promoveu, na sexta-feira (01/12), a mesa redonda ‘Chamada Pública Para Aquisição de Gás Natural - Desafios e Perspectivas para as Distribuidoras’. O debate, realizado no Salão 1, do Edifício Boulevard Side Empresarial (Caminho das Árvores), em Salvador, foi conduzido pelo diretor-presidente da Bahiagás, Luiz Gavazza; ao lado do diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), José Cesário Cecchi, e do presidente executivo da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) Augusto Salomon.

O diretor-presidente da Bahiagás demonstrou o êxito da iniciativa, relatando os números finais do processo. “Recebemos, ao final, 14 propostas, de empresas nacionais e internacionais, que operam com fontes de suprimento e logísticas de entrega diversas”, anunciou Gavazza. Ele informou ainda, que sete agentes cumpriram os termos e foram habilitados no edital, e que dois deles já assinaram Protocolo de Intenções com a Companhia. “Na nossa avaliação, os números comprovam o acerto da medida”, arrematou.

“A principal motivação da Bahiagás foi a de superar as dificuldades comerciais enfrentadas com o principal supridor. A Companhia busca, com esta iniciativa, diversificar as suas fontes supridoras, aumentar a confiabilidade no provimento e a competitividade do gás natural no estado da Bahia”

Desafios -

As motivações e os objetivos do movimento da Companhia também foram expostos pelo diretor-presidente. “A principal motivação da Bahiagás foi a de superar as dificuldades comerciais enfrentadas com o principal supridor. A Companhia busca, com esta iniciativa, diversificar as suas fontes supridoras, aumentar a confiabilidade no provimento e a competitividade do gás natural no estado da Bahia”, esclareceu.

Pontos de atenção e desafios para a ampliação das fontes supridoras também foram expostos durante o evento. Questões como: a formulação de uma possível Chamada Pública com repercussão regional; as tratativas para o uso do Terminal de Regaseificação da Bahia; a unificação dos procedimentos fiscais e comerciais nos estados sócios controladores das CDLs no Nordeste, entre outras, pautaram a discussão.

O presidente executivo da Abegás, Augusto Salomon, além de parabenizar a iniciativa da Bahiagás, enfatizou, na sua exposição, dentre outros assuntos, a importância da integração da malha de dutos das CDLs de estados vizinhos. Segundo ele, a medida, que precisa ser avalizada pela ANP, “viabilizaria o atendimento de polos importantes, mas ainda operacionalmente inviáveis, em virtude das distâncias geográficas das redes de distribuição das Companhias”. Salomon também expressou a sua preocupação com alguns aspectos desconsiderados pelo Projeto de Lei 6407/13, conhecido como PL do Gás Natural, em tramitação no Congresso.

José Cesário Cecchi, diretor da ANP, apresentou as iniciativas da Agência para o setor e respondeu aos diversos questionamentos da plenária sobre os entraves ainda existentes no mercado do gás natural. Cecchi detalhou a Chamada Pública da TBG (Sociedade Anônima que tem a Petrobras Logística de Gás S.A., como sócio majoritário) para Contratação da Capacidade de Transporte após Término do Contrato de Transporte (TCQ). A TBG é responsável pelo Gasoduto de Transporte Bolívia-Brasil e entrega, aproximadamente, 30 milhões de m³/dia de gás natural para as regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do país, que representam mais de 50% do PIB nacional.
O evento contou com a representação das secretarias estaduais de Infraestrutura (Seinfra) e Desenvolvimento Econômico (SDE), além da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações (Agerba). As distribuidoras Copergás, Potigás, Algás, SCGás e Comgás também enviaram representantes. A Federação das Industrias do Estado da Bahia foi representada pelo presidente do seu Conselho de Gás, Petróleo e Naval, Humberto Rangel.

Industrial

O segmento industrial é o que consome o maior volume de gás natural distribuído pela Bahiagás. O consumo se localiza principalmente no Polo Industrial de Camaçari e no Centro Industrial de Aratu, além das cidades de Feira de Santana, Alagoinhas, Eunápolis, Mucuri, Itabuna e Ilhéus.

A atuação da Bahiagás neste segmento coloca a Bahia em lugar de destaque no país. O estado ocupa o primeiro lugar no Brasil em participação do gás natural na matriz energética industrial.

Utilização do gás natural canalizado no segmento industrial

  • Como matéria-prima (petroquímicas e indústrias de fertilizantes);
  • Como redutor siderúrgico (indústrias siderúrgicas);
  • Como combustível (geração de calor);
  • Na cogeração (geração de energia elétrica e vapor).

 Vantagens da utilização de gás natural canalizado para a Indústria

  • Reduz os poluentes devido às baixas emissões de compostos nitrogenados e de monóxido de carbono, contribuindo para a melhoria do meio ambiente;
  • Aumenta a vida útil dos equipamentos devido ao baixo percentual de gases ácidos e compostos de enxofre;
  • Elimina a estocagem de combustíveis e desativa os equipamentos de combustíveis líquidos, como bombas, tanques e aquecedores;
  • Reduz as intervenções de manutenção e da limpeza das áreas de queima e de trabalho, diminuindo o custo operacional;
  • Melhora o rendimento térmico devido à ausência de resíduos de queima;
  • Aumenta a precisão de regulagem de chama devido à estabilidade da composição do gás natural;
  • É pago após o consumo.

Automotivo

O gás natural veicular (GNV) é o mesmo gás natural utilizado na indústria, residências e estabelecimentos comerciais. Porém, sua queima é mais limpa que a da gasolina, do álcool e do diesel, o que proporciona redução da emissão de poluentes.

Vantagens do GNV

  • Economia de até 60% nos gastos com combustível.
  • É mais seguro quanto ao manuseio, já que a temperatura de ignição é superior;
  • O abastecimento é feito sem contato com o ar, evitando possibilidades de combustão;
  • Tem menor densidade que o ar, se dissipando facilmente em caso de vazamento;
  • Armazenamento em cilindros resistentes, inclusive, ao impacto de projéteis de armas de fogo;
  • Aumento do intervalo das trocas de óleo e das velas de ignição;
  • Aumento da vida útil do motor;

Conversão para veículos

Para converter o veículo ao uso do GNV, são necessário equipamentos basicamente formados por:

  • Conjunto de cilindros para acondicionar o GNV;
  • Redes de tubos de alta e baixa pressão;
  • Dispositivo regulador de pressão;
  • Válvula de abastecimento;
  • Dispositivo de troca de combustível;
  • Indicadores de condições do sistema; 

- Cuidados com a conversão:

Os veículos que utilizam o GNV devem ser adaptados exclusivamente em oficinas credenciadas (deve ser exigido o Comprovante de Segurança Veicular – CSV, expedido pelas oficinas credenciadas pelo INMETRO). 

Abastecimento


Ver o mapa ampliado

LINKS ÚTEIS:

Relação de Postos com GNV

Pesquisa de Preços ANP

Massa específica do GNV

Lista de Convertedores

Assinar este feed RSS